quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Fluxo de consciência

Há tempos que cultivo esse suspiro. Medo embalado da pior verdade. E é tudo tão raro,tudo tão claro. Acho que não domino meu mundo direito. E não tem palavra que me corresponda. Tenho memórias de um tempo em que quase achei que seria feliz. A mais livre janela do Universo. Sobre olhares pouso medo. Angustio a minha paz. Um clichê esparramado na cama. Sobre que partes disto me deito? Mais um dia em que me escondo no meu nome. O amor demais transborda etílico. Não há porto,nem milagre. Essa música desperta infâncias em mim.Quanto mais sorrisos,mais mortes.

3 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Naná
Apesar de melancólico, é um lindo texto.
Bjux

Ana Andreolli disse...

"Tenho memórias de um tempo em que quase achei que seria feliz."

pior que achar é ter certeza, e depois não ter mais...=/ such a pity

Má Midlej disse...

Lindo!

Postar um comentário