domingo, 9 de janeiro de 2011





Pouco

Quero dormir
em um grande domingo
da minha vida.
Onde eu não possa
nem pouse.
Onde o critério da dor
não seja mais a dúvida.
Onde sem mim
eu possa pedir
perdão por isso.


Velho afetado,
testamento em Vida,
grande e mulambento.


Um comentário:

Gustavo Brito disse...

- engraçado... assim como você penso que viver é extremamente difícil. um dos maiores conflitos do ser humano é respirar, se manter vivo. falo isso por experiência própria e também porque vejo isso na clínica da ciência que você não bota muita fé: a psicologia.
de qualquer forma acho impressionante o seu ponto de vista acerca da realidade. sua obsessão por se conhecer é realmente formidável. devo admitir que também sofro com isso. mas, atualmente, naná, vejo de maneira bastante positiva.
antes eu era um cara totalmente receoso acerca de qualquer acontecimento. dormi por diversos domingos em minha vida, pois temia entender o significado de tudo. mas, mesmo nos sonos, vivemos realidades que nós mesmos planejamos... e são demasiadamente complexas.
e, sabe, hoje compreendo que, mesmo que passarmos o dia inteiro sentado num banco, na mesma posição, sem mexer sequer um fio de cabelo, mesmo assim, teremos aprendido alguma coisa. e o dia não será igual ao outro. não há como. por mais que ele seja inteiramente semelhante, se você buscar os detalhes, jamais será igual. e é isso que me comove. que me impulsiona.
e, sabe o que mais, acho que não há como nos definirmos numa folha de papel, somos muito mais que isso. e mudamos. sempre. daqui a algum tempo, quando você reler este blog, você perceberá que muita coisa mudou e que você estará além de tudo isso. mas, se juntar os pedaços, poderá ler uma naná mais completa e infinitamente melhor do que já fora.

Postar um comentário