terça-feira, 28 de setembro de 2010

Perdas e danos

Ando tão pouco para tudo
ando tão mundo para gesto
ando tão grande e infinita
na sola dos meus pés
desgasto mais um dia.
Colando recordações
em um e outro
empírico momento,
dor é mais que erra.
Uma ponte,
valente preposição,
oposto disposto
a te ver no chão.

5 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Naná
Gosto da subjetividade de seus poemas.
Bjux

Franck disse...

Acho que tanto as perdas como os danos, são necessários, como os ganhos!
Bjs*

Erica Vittorazzi disse...

Os seus poemas são lindos e com rimas ricas. Gosto de ler, pois eu sei o quanto é difícil escrever assim. Já tentei...


...beijos

Mari disse...

Adorei. Não entendi o título do blog, mas o adorei mesmo assim... ^^

Bj.

Ana Andreolli disse...

nossa, lindo! adorei o jogo das palavras...

Postar um comentário